29/05/2020

Moradores do centro de Cosmópolis reclamam do abandono da antiga Urca

Aranha 'armadeira' foi encontrada em uma casa ao lado do terreno da prefeitura

Da redação

Mato alto, lixo e muros caídos com fácil acesso ao interior do terreno e do prédio antigo. Esta é a reclamação de moradores das imediações da antiga Tecelagem da Urca, no cruzamento da rua Antônio Carlos Nogueira com a avenida Centenário Doutor Paulo de Almeida Nogueira, no centro de Cosmópolis.

A antiga tecelagem que tem como extensão um quarteirão, e tem excelente localização, hoje é um terreno da Prefeitura de Cosmópolis, mais precisamente da Secretaria de Educação desde meados 2012.

Os moradores das imediações reclamam do mato, do lixo e dos animais peçonhentos que saem do terreno. Um morador, que não quis se identificar, encontrou dentro de sua casa uma aranha ‘armadeira’. O munícipe disse que teme pelas crianças que moram com ele, seus animais domésticos e por todos os moradores. Já que no local sempre aparece este tipo de animais e principalmente ratos.

Além do mato alto, muito lixo é visto na guarita de acesso à antiga tecelagem. Aparentemente ali está sendo utilizado como abrigos para moradores em situação de rua, pois há muito material queimado.

Um lado do muro, que fica na avenida Centenário, está parcialmente fechado com tapumes. Porém é possível acessar o terreno por meio de buracos nesta proteção feita com madeiras.

Em entrevista, os moradores pedem um destino para o terreno e caso não seja possível, eles pedem que seja feito uma limpeza no local.

Nossa reportagem pediu à Prefeitura um posicionamento, sobre uma possível limpeza e sobre a destinação do local que é de responsabilidade da Secretaria Municipal de Educação, mas até o fechamento desta matéria nenhuma resposta foi dada pelo órgão público.

……………………………………..

Tem uma sugestão de entrevista? Clique aqui e envie para o Portal Cosmopolense


Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.